Belém, só vendo

Foto: Petterson Farias

Ruas bronzeadas com chuva pra toda gente.
Gente que transita entre verduras, peixes, mandingas e cores.
Cores que enfeitam a casa, a igreja, o palacete e toda a velha cidade.
Cidade de portais, estações e mangais que se esparramam entre rios.
Rios que não salgam os olhos, só matam a sede e nos dizem que este lugar é, sim, doce.
Doce como os dias de diversão no parque, após o Círio.
Círio que ata os nós de quem nasceu aqui, mas vive distante e expõe a fé de toda gente, pelas casas iluminadas, prédios abarrotados e pelas ruas bronzeadas de Santa Maria do Grão-Pará, a nossa amada Belém! 

Zuenir Ventura é que sempre esteve certo: “Há cidades brasileiras que só vendo. A capital do Pará é uma delas”.