Disritmia

Foto: Fabíola Lourenço
Foto: Fabíola Lourenço

Aquela rotina que cansa, sabe? Não a dos dias previsíveis, dos mesmos caminhos percorridos, que eu tô falando, essa aí, mal conheço! Falo daquela outra, presa em ti e em mim, quase sempre entre nós. A mesmice que ocupa o lugar do amor surpreso, da excitação que escorre pelos poros, e acinzenta as melhores intenções. Tão mais trágica, não?!

Não era bem com esse sentimento repetitivo o meu acordo. Outro tipo de entrega era o que eu esperava, a tal confusão proposital entre um e outro. Onde começa? Onde termina? Se é que termina. Enquanto tu não chegavas, era outra trilha que eu ensaiava, aquela música pra se dançar a dois, a tal poesia particular que outro dia eu argumentava, só nossa, entende?

Quando eu te tirei no salão, meu interesse era a companhia, não o compasso. Eu queria mesmo era o distúrbio, pra que fizéssemos do nosso jeito, mas parece que cansaste. Dois tropeços e tu já querias parar.

Ouça meu pedido disfarçado de conselho: não sentes antes da hora nem te acomodes no lugar-comum, como aqueles que não têm mais nada para esperar. Agora que começamos a acertar o passo, improvise comigo! Que vez ou outra nos falte o fôlego, mas nunca o ânimo. Aumente o som, por favor, para que bailemos no ritmo novo do imprevisto, pra gente nunca mais se cansar.

Anúncios

Um comentário sobre “Disritmia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s