Alquimia

 

4178831619_fe6b247e03_z

 

Processo o disforme, o confuso e dou a eles o exato primor. Clareio o(s) sentido(s), o vivido, o não-dito, o não-escrito. E com as palavras eu brinco. Dou vida aos devaneios e formato aos sonhos. Das figuras e metáforas, uso e abuso. Procuro expressões, imperativos e verbos. Tiro. Boto. Tiro. Boto. Num vai-e-vem que não ter fim. Misturo tudo e do avesso eu viro. Rearranjo e sigo. Distribuo em palavras, orações e períodos, mais do que qualquer outra coisa, o que carrego aqui, dentro de mim.

Dito. Repito. Ecoo. Reproduzo o estado de espírito. De corpo. Da alma. Desenho letras. Vida elas recebem para falarem por mim. E no fim, a rima produzida, mais que sonora, soa vital, pessoal, intransferível e divaga na frequência do abstrato, do que pulsa, do que nunca deixou de ser. Sentimentos, sensações: convergência. Metalinguagem e poesia: tudo uma coisa só.

 

(Ilustração do Tobias Fonseca)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s